05 novembro 2008

Sobre Vitórias e Derrotas: a eleição americana e a perda de direitos LGBT

Acordei hoje super feliz com a notícia de que o Obama havia vencido de lavada. Os democratas levaram não só a presidência, mas a maioria no senado e na câmara. Podemos todos respirar um pouco mais aliviados de que o mundo não vai para o buraco junto com os americanos tão cedo quanto iria com um outro mandato republicano.

Todos os jornais citam esse dia como um marco na história, principalmente por Obama ser o primeiro presidente eleito afro-descendente. É uma coroação dos movimentos pelos direitos civis dizem muitos militantes daquela época que lutaram contra a segregação racial.

Infelizmente em relação a direitos civis a eleição foi apenas um marco histórico para os afro-descententes mesmo. A população LGBT americana perdeu muitos direitos com esse resultado. Incrível como em todo o resto aparentemente houve um movimento em direção ao centro, se afastando do conservadorismo de forma inédita na história americana (em um estado até pesquisa com células-tronco foram aprovadas), mas quando se trata de direitos LGBT é difícil ver os resultados sem ficar ao menos um pouco frustrada.

Deixem-me explicar melhor isso: junto com as eleições presidenciais, os americanos sempre aproveitam a oportunidade para realizar vários plebiscitos e ontem vários estados votaram a favor ou não da adoção de crianças por casais do mesmo sexo e a favor ou não da legalização de uniões civis entre homossexuais. O resultado foi um retumbante "AINDA SOMOS PRECONCEITUOSOS EM RELAÇÃO A ISSO E ACREDITAMOS QUE VOCÊS NÃO MERECEM OS MESMOS DIREITOS".

A mídia, pelo menos por agora, ainda não está comentando nada a respeito disso. Estão muito ocupados louvando o sonho americano e a vitória da luta pelos direitos civis dos afro-descendentes. Ainda não viram a ironia suprema que é falar em vitória de direitos civis enquanto toda uma parte da população é relegada à marginalidade e segregação.

De qualquer maneira, quem sabe isso nos sinalize que daqui a quarenta anos talvez o povo tenha conseguido superar os preconceitos contra os LGBT da mesma maneira que conseguiram contra os afro-descendentes (será? O próprio Obama diz pra acreditar em mudança). Quem sabe então possamos visualizar um cidadão concorrendo à presidência independente não só de sua cor, mas também de seu gênero e sexualidade. Eu ficaria feliz só em saber que os cidadãos LGBT de lá possam ter direitos iguais a quaisquer outras pessoas, como diz a tão aclamada constituição deles.

Acho que estamos mais perto que eles de conseguir isso.

Este é o link para ver os resultados nos vários estados (alguns ainda estão contando os votos, mas acho que os resultados não vão mudar de rumo não).

Eu sei que este post não teve muito a ver com filmes, ou seriados, ou documentários... Mas foi algo que me veio naturalmente hoje de manhã no trabalho enquanto lia sobre os resultados. A minha frustração ao ler sobre os plebiscitos quase que igualou a minha alegria anterior ao saber da vitória de Obama.

De qualquer maneira, quero dizer que quero voltar a postar no meu ritmo normal a partir deste mês (e não, esta não é só mais uma promessa de campanha). Fui promovida no meu novo trampo e as coisas estão mais calmas o suficientes para que eu possa voltar a me dedicar como gosto do blog.

**Legenda do cartoon:
Codificação do casamento:
Gays - Mal encarnado
Bissexuais - Confuso
Ateus - Sem sentido
Liberais - Maculado
Conservadores sem filhos - Suspeito
Conservadores com filhos - Aprovado